/* */ Cor Sem Fim

22.3.17

5 Luzes com a Dresslily


Adoro luzes. É um facto inegável. A Pêssegos ofereceu-me umas luzinhas no Natal (era a minha amiga secreta) e pedi umas aos meus pais para substituir as que tinha porque se estragaram. Entretanto mais luzes entraram na minha vida e hoje trago-vos 5 iluminações da Dresslily que não me importava de ter cá por casa (especialmente porque devem dar uns efeitos bem giros para fotos!).

18.3.17

LOOKING THROUGH PEOPLE || Primavera Estacional


Não costumo divulgar muitas bloggers, mas não quer dizer que não goste delas ou não tenha bloggers "preferidas". Esta colaboração surgiu no seguimento de conhecer um pouco melhor as pessoas que vos escrevem deste lado do ecrã.

5.3.17

28 COM A JU || O fim do mês cheio de rascunhos


Fevereiro foi um mês cheio de coisas para fazer, apesar das supostas férias. Foi um mês cheio de ideias, cheio de coisas novas. Um mês de parcerias, um mês de números surpreendentes, um mês de retorno às entrevistas. Tenho o computador cheio de rascunhos, a cabeça cheia de ideias de coisas para escrever... Mas agora o tempo vai começar a ser pouco para estar a 100% por aqui. Os posts vão ser menos. Sei que também não cumpri este mês todo recheado de posts como tinha "prometido", mas desmotivei. Porquê? Não sei. Não faço a mínima ideia. Às vezes desmotivamos, não é verdade? "Acontece." Estive a dar uma revirada no blog (se têm acompanhado a página de Facebook sabem que tenho trazido à baila muitos posts antigos) e notei que, realmente, há muitas coisas que vos disse que trazia e não trouxe, muitas coisas que faria e falaria e (ainda) não fiz ou não falei. Essas ideias voltam sempre à minha cabeça e eu penso sempre em publicá-las. O único mês que consegui cumprir algo que vos tenha prometido foi em 2014, no Blogmas (Quase Natal, na altura), mas quem sabe se não recupero alguma das ideias que anda espalhada aqui pelo cantinho e as ponho em prática. Até lá, vão dando uma olhadela no que se passa no Facebook!

24.2.17

28 COM A JU || PORTALEGRE || Hotel Rossio



Já sabem como eu sou: gosto imenso de divulgar aquilo que encontro e aquilo que a minha terra me dá. O Hotel Rossio foi o escolhido desta vez. O edifício está localizado mesmo ao lado da Câmara Municipal de Portalegre (e do posto de turismo). É mesmo no centro da cidade!


15.2.17

28 COM A JU || Eu perguntei, Mimicat respondeu


A Mimicat esteve em Portalegre em Abril do ano passado. Outras coisas foram-se pondo pelo caminho e só agora esta entrevista chega a vocês... Mas acho que vem bem a tempo.

A sala não encheu para ela (nem de longe nem de perto) mas nem por isso ela deixou de ter uma energia fantástica, capaz de pôr toda a gente a bater o pé. Colocou toda a sua alma neste concerto e isso notou-se perfeitamente. Diz que prefere que, mesmo que sejam poucas pessoas, que estejam , prefere que as pessoas participem, prefere qualidade a quantidade. Nunca, até àquela data, ela tinha tido um concerto com tão pouca gente.

Tem um estilo incrível e é bastante simpática. Já tinha estado em Portalegre, mas com outro projecto. Gostou tanto que quis voltar! Gosta dos espaços do CAEP e voltaria... mesmo sem cachê. Também gosta de salas bonitas, de público que lhe dá energia e acha que é mais difícil acabar a composição de uma música do que começar. Gosta de criar ligação com o seu público. Querem saber o que mais a Mimicat me disse? É ler aqui.

13.2.17

28 COM A JU || Em modo repeat


Nunca me deu na cabeça fazer uma playlists ou trazer-vos as músicas que mais ando a ouvir (apesar de separadas), mas, depois de passar o dia a organizar documentos de 2011, a ver pastas que nem sei o que lhes hei-de fazer e a reavivar a minha memória quanto a músicas que ouvia, decidi que vos devia trazer algumas músicas de gente que já entrevistei (mesmo que ainda não tenham chegado ao blog). Isto é novo por aqui... Vamos ver como corre!

12.2.17

28 COM A JU || ACMA || • agorafobia •


Falar sobre sentimentos nem sempre é fácil, especialmente se é algo que é muito nosso. Falar de medos, então, acho que é das coisas que mais nos pode custar. Sejamos sinceros: nem sempre admitimos os nossos medos porque, afinal, se temos medo é porque não nos sentimos seguros e confiantes com isso. Às vezes temos até vergonha por termos esses medos e sentimo-nos incompreendidos.